Logo Banco de Alimentos

Blog

1/4 DO MUNDO ESTEVE EM INSEGURANÇA ALIMENTAR EM 2019

Uma em cada quatro pessoas no mundo esteve em insegurança alimentar moderada ou grave em 2019

Insegurança alimentar é mais do que apenas fome
O principal indicador usado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) para monitorar o progresso da erradicação da fome é a prevalência de subnutrição. A prevalência de insegurança alimentar foi inserida, pela primeira vez nesta avaliação, como indicador complementar de fome. Este indicador fornece uma perspectiva que permite guiar ações em direção à meta de garantir o acesso a alimentos nutritivos e suficientes para todos.

As pessoas que sofrem de insegurança alimentar moderada enfrentam incertezas quanto à sua capacidade de obter alimentos e foram forçadas a reduzir, ao longo de um ano, a qualidade e/ou quantidade de alimentos que consomem devido à falta de dinheiro ou outros recursos. Esta interrupção nos padrões alimentares normais pode trazer consequências negativas para nutrição, saúde e bem-estar. Pessoas que enfrentam insegurança alimentar grave, por outro lado, provavelmente ficaram sem comida, expostas à fome e, no extremo, passaram dias sem comer, comprometendo sobremaneira sua saúde e bem-estar. Vale lembrar que qualquer nível de insegurança alimentar gera exclusão social.

52 MILHÕES DE BRASILEIROS VIVEM EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR
E, além disso, quase 3,5% da população enfrenta uma grave situação alimentar, o que significa que mais de 7,2 milhões de brasileiros passaram um dia inteiro ou mais sem ingerir nenhum alimento (PNAD 2014).

O QUE É SEGURANÇA ALIMENTAR?
A Escala Brasileira de Insegurança Alimentar (EBIA), usada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) desde 2004, classifica os lares de acordo com o grau de segurança alimentar. A última Pesquisa Nacional de Amostras de Domicílios (PNAD), realizada em 2013 e divulgada em 2014, revelou qual é a situação de acesso a alimentos em milhões de lares brasileiros. Veja a seguir:

  • Grau 1 – Segurança alimentar — Acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente. Não há preocupação quanto ao acesso de alimentos no futuro. Neste nível estavam 50,5 milhões de domicílios (77,4% dos pesquisados), nos quais moravam 149,4 milhões de pessoas.
  • Grau 2 – Insegurança alimentar leve — Preocupação ou incerteza quanto à disponibilidade de alimentos no futuro em quantidade e qualidade adequadas. Neste nível estavam 9,6 milhões de moradias (14,8%), nos quais moravam 34,5 milhões de pessoas.
  • Grau 3 – Insegurança alimentar moderada — Redução da quantidade de alimentos entre os adultos ou ruptura nos padrões de alimentação devido à falta de alimentos. Ainda assim, a alimentação de crianças é preservada. Neste nível estavam três milhões de lares (4,6%), nos quais moravam 10,3 milhões de brasileiros.
  • Grau 4 – Insegurança alimentar grave — É a redução da quantidade de alimentos entre as crianças ou quando alguém fica o dia inteiro sem comer por falta de dinheiro. Ou seja, fica com fome. Neste nível estavam 2,1 milhões de moradias (3,2%), nas quais viviam 7,2 milhões de brasileiros.

Fontes: State of Food Security and Nutrition in the World. (FAO, 2019) & Pesquisa Nacional de Amostras de Domicílios, PNAD. (IBGE, 2014).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Doe